Quem Somos?

P&D ANEEL-Cemig GT-343

O Centro de Bioengenharia de Espécies Invasoras de Hidrelétricas (CBEIH) foi criado a partir do P&D ANEEL GT-343: Controle Do Mexilhão-Dourado: Bioengenharia e Novos Materiais para Aplicações em ecossistemas e Usinas Hidrelétricas. O projeto de Pesquisa teve uma verba de 4,5 milhões destinada pela Cemig, que ao longo deste e de outros projetos de P&D, já investiu 8,2 milhões no combate ao mexilhão-dourado. Por meio de um novo aporte de recursos, o projeto foi extendido por mais dois anos com a finalidade de prosseguir com a metodologia integrada de combate DRRI, desenvolvida pelo CBEIH.

CBEIH

O Centro de Bioengenharia de Espécies Invasoras de Hidrelétricas (CBEIH) foi criado a partir do P&D ANEEL GT-343 e possui quatro anos de pesquisa na prevenção e controle de espécies invasoras através de pesquisas em bioengenharia e novos materiais tecnológicos. O CBEIH baseia sua metodologia de pesquisa no combate aos organismos invasores apoiado em um tripé inovador: Monitoramento, Bioengenharia e Modelagem Ambiental. A detecção rápida da chegada de um invasor é fundamental, pois permite o controle de subpopulações enquanto elas ainda são pequenas o suficiente para serem erradicadas. No entanto, nossa efetiva capacidade de monitorar estes organismos é ainda limitada e a consolidação de um protocolo de monitoramento inteligente, integrado a um sistema de alerta, permitirá monitorar de forma mais eficiente e barata e ainda mitigar impactos econômicos e ecológicos. A fim de otimizar os processos de detecção e manejo de espécies invasoras aquáticas, o CBEIH desenvolveu o Programa de Detecção Rápida e Resposta Imediata (DRRI), baseado no programa de Early Detection do Bureau of Reclamation, instituto do Governo Federal Norte-Americano responsável pelo combate às espécies invasoras nos EUA. Este processo, moderno e eficiente, é fruto de metodologias combinadas já implementadas com sucesso. O DRRI propõe um conjunto de protocolos que se inicia com uma rede de monitoramento em áreas prioritárias indicada por modelagem ambiental, monitoramento ativo destas áreas, coletas em trechos estratégicos, diferentes análises laboratoriais que garantam resultados de qualidade e, por fim, integram-se a um sistema on-line de informação, com módulos de visualização georreferenciada e sistemas de alerta para a tomada imediata de medidas frente a novas invasões.

REDES COLABORATIVAS

O CBEIH objetiva se tornar um núcleo de inteligência que conecta a indústria e os programas de pós graduação, introduzindo nas grandes universidades e nos centros de pesquisa as demandas crescentes da indústria nas áreas onde a inovação tecnológica é essencial.

O Centro já está inserido em uma rede de colaboração que une laboratórios, centros de pesquisa e programas de pós-graduação no Brasil e no exterior. Dentre eles, podemos destacar a sinergia com o Bureau of Reclamation (entidade vinculada ao Ministério do Interior dos EUA), o Departamento de Engenharia Mecânica e Aeroespacial da Universidade da California (USA), representado pelo pesquisador Marc Meyers e o Centro de Biologia Marítima da USP – CEBIMar.

CEMIG

A eletricidade desempenha um papel fundamental na sociedade moderna, e o seu fornecimento contínuo garante em grande parte o nosso bem estar. Pensando na segurança do fornecimento de eletricidade e na preservação ambiental, a CEMIG e o CETEC criaram o CBEIH – Centro de Bioengenharia de Espécies Invasoras de Hidrelétricas. Ao longo deste e de outros projetos de pesquisa e desenvolvimento, a Cemig já investiu 8,2 milhões no combate ao mexilhão-dourado. Encontra-se abaixo o resumo orçamentário do projeto DRRI-CBEIH de novembro de 2011 até os dias atuais e a linha do tempo com o total investido pela Cemig em Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento.